Trabalhos 2016

Externato Cooperativo da Benedita (Alcobaça)

Escalão 2 - escolas de outros níveis de ensino a partir do 2º ciclo (inclusive)

Fotografias:

Os alunos cotam as embalagens recolhidas.
o projeto e a maçã escolhida
Junção de vários materiais com destaque para a chita de Alcobaça
A maçã final com as diferentes  cores e sombras e com dos símbolos requeridos:Tetra PacK e selo FSC.
Nesta foto reunimos a maçã à venda  no Externato com o trabalho realizado
Na semana dedicada à Terra, o dia da Terra é dia 22 de abril, realiza-se a exposição do trabalho

Memória Descritiva:

[]Cria um fruto colhe os prémios
Trabalho realizado no Externato Cooperativo da Benedita
O fruto escolhido é a maçã de Alcobaça pois a Escola, Externato Cooperativo da Benedita pertence ao Concelho de Alcobaça.
A maçã de alcobaça corresponde ao que se pretende em produção respeitadora pois desde sempre está perfeitamente integrada nas condições naturais e humanas da região.
Na decisão de escolha deste fruto pesou também a sua produção ser biológica. De entre as maçãs de IGP, Indicação Geográfica Protegida a escolha recaiu sobre a ROYAL GALA cujas caraterísticas são: maçã de polpa fina, doce pouco acidulada e perfumada.
É um fruto que respeita o ciclo natural da vida o ambiente e a saúde do consumidor.
No bar da Escola os alunos já têm ao seu dispor a oportunidade de consumirem maçã.
Os materiais usados para além das embalagens da Compal foram a chita de Alcobaça, tecido tradicional do concelho de origem da maçã.
Primeiro realizou-se a recolha de embalagens que obedecessem às regras do Concurso. Depois da escolha do fruto investigou-se sobre a melhor forma de utilização dos materiais para que fosse possível representar bem a maçã pretendida, a de Alcobaça.
Cortaram-se as embalagens, destacaram-se algumas partes e procedeu-se à montagem dos materiais com colagem.
Fotografaram-se as diferentes fases.
Maçã de Alcobaça
O primeiro registo da existência da maçã de Alcobaça, como uma fruta diferenciada data de 1200, numa época em que este fruto já viajava nos porões de navios, para o Norte de África e Inglaterra. Desde o início da sua instalação na região de Alcobaça, que os Monges de Cister reconheceram nestas terras caraterísticas especiais para o cultivo de maçãs. Esta tradição de séculos faz com que esta seja conhecida como terra de maçãs, e estas estejam impregnadas na cultura das suas gentes. Esta maçã, é um produto de origem portuguesa com IGP (Indicação Geográfica Protegida) pela União Europeia desde 21 de junho de 1996.
A maçã de Alcobaça é uma fruta que é produzida numa especificidade climática e de solos que se situa entre a serra do Montejunto, a serra dos Candeeiros e o mar, o clima do Oeste, com orvalho, arrefecimento noturno, sem calor excessivo e solos férteis com 150 milhões de anos, propiciou um fruto muito rico, não em água, mas em sais minerais e em substâncias fitonutrientes . Uma das suas caraterísticas é o aroma difícil de encontrar noutro tipo de maçãs. Desde há séculos que a qualidade gustativa das maçãs produzidas nesta região é reconhecida pelo seu sabor agridoce e aroma intenso, é colhida entre agosto e novembro e assume-se como um dos produtos de excelência da região oeste, produzida num microclima muito próprio e que faz deste um dos frutos mais aromáticos e crocantes do mundo. Entende-se por “Maçã de Alcobaça" o fruto proveniente das variedades Royal Gala, Delicious, Jonagold, Fuji, Casa Nova de Alcobaça, Golden Delicous, Granny Smith e Reineta Parda.
A maçã de Alcobaça é produzida segundo novas tecnologias, acompanhada, selecionada e controlada nos melhores pomares até ao consumidor, por um conjunto de testes analíticos e sensoriais. Assim, esta maçã além de obedecer a determinadas normas, obedece prioritariamente a um conjunto de parâmetros de qualidade organoléticas (sabor, aroma, densidade e consistência) impostas pelos seus produtores.
Tabela Nutricional
Factos nutricionais sobre as maçãs:
• Sem gorduras
• Sem gorduras saturadas
• Sem sódio
• Sem colesterol
• Excelente fonte de fibra
Esta maçã é produzida através de um processo inovador, racional e controlado, proporciona segurança alimentar e contribui para o equilíbrio ecológico do meio ambiente, o combate às pragas e doenças das árvores, baseia-se na utilização de meios de luta cultural biotécnica (atrativos) e biológica (utilização de insetos e outros organismos auxiliares) alternativos ao uso de pesticidas. É respeitado o ciclo natural da vida, o ambiente e a saúde do consumidor.